Menu


Ex-senador do MDB é condenado no mensalão mineiro

15 MAI 2018
15 de Maio de 2018

A juíza Lucimeire Rocha, da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, condenou o ex-senador Clésio Andrade (MDB-MG) a 5 anos e 7 meses de prisão no mensalão mineiro. A magistrada fixou o cumprimento da pena em regime inicial semiaberto pelo crime de lavagem de dinheiro.

Ela ainda absolveu o político do crime de peculato. Atualmente, Clésio é presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT).

O mensalão mineiro, conforme denúncia do Ministério Público Federal (MPF), é como ficou conhecido o desvio de recursos de estatais como a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e o extinto Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) para a campanha do então governador Eduardo Azeredo (PSDB) à reeleição, em 1998.

Os desvios em benefício de Azeredo chegam a 3 milhões de reais, de acordo com a acusação. O esquema – que, segundo a Procuradoria, teve a participação de Clésio –, utilizava as agências de publicidade de Marcos Valério, que já cumpre pena por envolvimento no mensalão federal.

A juíza rejeitou a tese de que os valores atribuídos a Clésio constituíam somente caixa 2 de campanha. “Primeiro, que não se tratou de ‘simples depósito’. Conforme consta dos laudos periciais, o recurso percorreu diversos caminhos, com depósitos e saques em várias contas, e depois novos depósitos, até ser utilizado na campanha, em operações extremamente complexas”, afirmou Lucimeire.

Vinte anos depois

O ex-senador é o terceiro alvo do mensalão mineiro condenado. Em 2015, Azeredo foi condenado na primeira instância a 20 anos e 10 meses de prisão, acusado de peculato e lavagem de dinheiro. No ano passado, o ex-governador teve a condenação confirmada na segunda instância, com redução de 9 meses em sua pena.

Em abril deste ano, por 3 a 2, desembargadores da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negaram embargos infringentes – um dos últimos recursos possíveis – apresentados pela defesa. O ex-governador pode ser, vinte anos depois, o primeiro preso do mensalão mineiro.

Também em abril, o jornalista Eduardo Guedes foi sentenciado em primeira instância a 17 anos e 5 meses de prisão pela Justiça de Minas Gerais. Guedes foi secretário-adjunto de comunicação durante o governo Eduardo Azeredo.

Trajetória

Na época dos fatos, Clésio era filiado ao PFL (atual DEM) e candidato a vice-governador na chapa encabeçada por Azeredo. A chapa foi derrotada no segundo turno pelo ex-presidente Itamar Franco, que se elegeu governador pelo PMDB.

Ele disputou o mesmo cargo quatro anos depois, dessa vez ao lado de Aécio Neves (PSDB). Em 2006, não disputou a reeleição como vice e se elegeu primeiro suplente na chapa do senador Eliseu Resende (DEM). Ele assumiu o cargo em janeiro de 2011, após o falecimento de Resende.

Voltar
Tenha você também a sua rádio